29 de jul de 2013

Centrais preparam novo Dia Nacional de Greves e Paralisações para 30 de agosto

Representantes das centrais sindicais se reuniram na manhã desta segunda-feira (29), em São Paulo, na sede da UGT, para encaminhar os preparativos para o calendário de mobilizações do Dia Nacional de Greves e Paralisações, que acontece no dia 30 de agosto.
O calendário construído pelas centrais inclui, ainda, a realização de atos e protestos no dia 6 de agosto, contra a terceirização, nas portas das federações patronais em todas as capitais do Brasil e também nas confederações de empresários (CNI, CNC, CNC). O objetivo é pressionar os empresários a retirar da pauta da Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 4.330, que amplia a terceirização da mão de obra, precarizando ainda mais as relações e as condições de trabalho.
Os atos foram marcados para essa data porque no dia 5 terminam as negociações da mesa quadripartite, que está discutindo alterações no texto do PL da terceirização e reúne trabalhadores, empresários, governo e deputados federais. Na mesa, a bancada dos trabalhadores está tentando alterar o texto para proteger os direitos dos trabalhadores, mas há muita resistência da bancada patronal.
Dia Nacional  de Greves e Paralisação
No dia 30 de agosto, a grande mobilização nacional inclui a realização de greves e paralisações, parciais e totais, pelas diversas categorias. Para o presidente nacional da CTB, Wagner Gomes, é fundamental que os dirigentes tenham em mente a importância da mobilização nos estados para fortalecer as duas atividades e mostrar que os trabalhadores continuarão nas ruas em defesa de seus direitos.
“Ficou claro para o Congresso Nacional e para o governo que é preciso atender a pauta da classe trabalhadora”, afirmou Wagner Gomes, que falou sobre o poder que a unidade das centrais representa e sobre o calendário de mobilizações definido e aprovado na reunião dos sindicalistas.
“As centrais sindicais têm unidade na defesa da classe trabalhadora. E pela conquista dos itens da pauta de reivindicações que entregamos ao governo e ao Congresso, vamos até o fim”, concluiu o dirigente.
Na pauta de reivindicações, os pontos unificados pelas centrais incluem o fim do fator previdenciário; 10% do PIB para a Saúde; 10% do PIB para a Educação; redução da Jornada de Trabalho para 40h semanais, sem redução de salários; valorização das aposentadorias; transporte público e de qualidade; reforma agrária; mudanças nos leilões de petróleo; e rechaço ao PL 4.330, sobre terceirização.

Fonte: Portal CTB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário