26 de ago de 2013

Metalúrgicos de Minas e patrões definem calendário de negociações da Campanha Salarial Unificada 2013

Em reunião realizada nesta segunda-feira (26), em Belo Horizonte, representantes de sindicatos e federações dos metalúrgicos mineiros e da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) definiram o calendário de negociações da pauta de reivindicações da categoria na Campanha Salarial Unificada dos Metalúrgicos, cuja data-base é 1º de outubro.
Em setembro, conforme o que ficou acertado entre metalúrgicos e patrões neste encontro, estão previstas cinco rodadas de negociações, sendo a primeira no próximo dia 3 de setembro e as demais nos dias 10, 17, 23 e 26.
A pauta de reivindicações dos metalúrgicos, composta por 97 cláusulas - que incluem itens econômicos e sociais - foi entregue aos patrões no dia 31 de julho pelas principais lideranças sindicais da categoria em Minas, representados pela Federação Interestadual dos Metalúrgicos e Metalúrgicas do Brasil (FIT Metal), ligada à Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Federação Estadual dos Metalúrgicos (FEM), da CUT, e Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas de Minas Gerais (Femetal), ligada à Força Sindical.  Ao todo, estão envolvidos nesta campanha cerca de 250 mil metalúrgicos em todo o estado.
O que os metalúrgicos reivindicam
Este ano, os metalúrgicos reivindicam dos empresários reajuste salarial de 13%, piso salarial de R$ 1.698,00, abono de um salário nominal, redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem diminuição dos salários, além de cláusulas sociais como pagamento de um salário nominal no retorno de férias; fornecimento de lanche no início da jornada; vale alimentação de R$ 450,00; convênio médico, vales transporte e refeição gratuitos e estabilidade de dois anos aos trabalhadores vítimas de acidentes de trabalho ou até a aposentadoria, em caso de sequelas de maior gravidade, dentre outras reivindicações.
A pauta de reivindicações da categoria também tem como novidade neste ano o pedido de remanejamento de função às empregadas gestantes, em casos excepcionais ou mediante atestados médicos, pelo tempo que o médico julgar necessário, do início da gravidez até 12 semanas antes do parto.
Presente à reunião desta segunda 26, na sede da Fiemg, o presidente da CTB Minas, Marcelino da Rocha, que também faz parte da direção do Sindicato dos Metalúrgicos de Betim, Igarapé e São Joaquim de Bicas, tem a expectativa de que a categoria esteja mobilizada nas fábricas e unidas aos seus respectivos sindicatos para que façam uma campanha salarial vitoriosa.
“Neste primeiro encontro, já tivemos uma breve amostra de que os patrões devem nos apresentar uma proposta que está bem distante da realidade dos acordos que têm sido celebrados pelo país afora. Por isso, acreditamos que o fator diferencial a favor dos trabalhadores é a unidade e a mobilização para que possamos ter êxito nas negociações”, ressaltou.
Também o presidente do Sindicato, João Alves de Almeida, diz acreditar que a receita para conquistar as principais reivindicações da categoria, sobretudo aumento real de salários e um piso salarial de ingresso - que seja capaz de valorizar o trabalho de qualidade dos metalúrgicos - é exatamente a força de mobilização dos trabalhadores.
“Nosso lema nesta campanha salarial é bem taxativo: é preciso mobilizar para conquistar. E a experiência nos mostra que não é o patrão que dá o que o metalúrgico reivindica, mas sim o trabalhador que, unido ao sindicato, faz sua parte na luta para conquistar”, afirma.
Fonte: Departamento de Imprensa - Sindbet.



Nenhum comentário:

Postar um comentário