23 de set de 2013

Greve dos bancários de BH e região se fortalece ainda mais nesta segunda-feira

Os bancários da base de Belo Horizonte e Região mostraram mais uma vez que estão dispostos a lutar contra a intransigência dos banqueiros e das direções dos bancos públicos federais.
Nesta segunda-feira (23), um número ainda maior de bancários paralisou suas atividades e se concentrou em frente à agência Século da Caixa Econômica Federal, na Praça Sete, no Centro da Capital, onde realizaram uma assembleia que definiu pela continuidade do movimento.
Para intensificar a mobilização e chamar ainda mais bancários a aderirem ao movimento, nesta terça-feira (24), às 11h30, será realizada concentrarão em frente à agência Centro do Banco do Brasil, na Rua Rio de Janeiro, 750. No local, o Sindicato dos Bancários de Belo Horizonte e Região promoverá apresentação de esquetes teatrais e show com a Banda dos Bancários.
Em solidariedade ao movimento de greve nacional dos funcionários dos Correios, será realizado ato conjunto das duas categorias. Em seguida, bancárias e bancários sairão em passeata pelas principais ruas da região central para mostrar à  população as reivindicações da categoria e protestar contra o Projeto de Lei 4.330, que permite a terceirização sem limites. O projeto do deputado Sandro Mabel (PMDB-GO) causará grandes prejuízos se for aprovado, precarizando as relações de trabalho e a organização dos trabalhadores brasileiros.

Reivindicações

A greve, por tempo indeterminado, foi deflagrada em assembleia realizada no dia 12 de setembro, em resposta à intransigência dos banqueiros e das direções dos bancos federais que se recusam a atender as reivindicações da categoria.
A proposta apresentada pelos bancos, no dia 5 de setembro, de 6,1% de reajuste sobre todas as verbas salariais, sem qualquer aumento real, foi rejeitada pelo Comando Nacional dos Bancários ainda na mesa de negociação.
Dentre as reivindicações, os bancários pedem reajuste salarial de 11,93% (inflação mais 5% de aumento real), PLR de três salários mais R$ 5.553,15 fixos, piso de acordo com o salário mínimo do Dieese (R$ 2.860,21), auxílios alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio creche/babá de R$ 678,00 (salário mínimo nacional) cada um, fim das metas abusivas e do assédio moral, mais contratações e fim das demissões, mais segurança, Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários, auxílio-educação para graduação e pós-graduação e igualdade de oportunidades, com a contratação de pelo menos 20% de negros e negras.
O presidente do Sindicato, Clotário Cardoso, destacou a importância da participação dos bancários para a vitória da Campanha Salarial. “Temos que reforçar a mobilização para exigir que os bancos atendam nossas justas reivindicações. O movimento está crescendo e, nesta terça-feira, realizaremos um grande ato e uma passeata para convocar ainda mais bancários para aderirem à greve. É fundamental que todos participem para que possamos fazer cada vez mais pressão sobre os bancos. Vem pra luta, bancário. Vem pra luta, bancária”, conclamou.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Belo Horizonte e Região.
Foto: Patricia Penna.

Nenhum comentário:

Postar um comentário