22 de set de 2016

Encontro de categorias marca paralisação geral em BH


                                                                 Foto: Isis Medeiros

Os protestos dos(as) trabalhadores(as) começaram cedo em Minas Gerais e seguiram pipocando em diversos locais de Belo Horizonte nesta quinta-feira(22), Dia Nacional de Paralisação.   Milhares de trabalhadores  se uniram em passeata contra a retirada de direitos e pararam o centro da capital mineira. Antes do encontro na Praça Sete, coração da cidade, as diferentes categorias de trabalhadores(as) públicos e privados fizeram atos em locais diferentes. A CTB, em conjunto com todas as centrais, federações, sindicatos, movimentos sociais e estudantis ecoaram o grito de Fora Temer e denunciaram os diversos retrocessos que o governo golpista anuncia para o povo brasileiro. 

As mobilizações iniciaram às 5 horas da manhã com protesto dos metalúrgicos. Organizados pelas três federações, FeMetal, FEM/CUT e FitMetal, a categoria fechou por mais de uma hora a pista do anel rodoviário, Belo Horizonte. Logo após, parada na entrada do turno dos trabalhadores da Stola do Brasil , empresa metalúrgica e fornecedora da Fiat Automóveis. 

Em seguida, a concentração dos eletricitários aconteceu em frente à Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), na avenida Barbacena. As categorias se unificaram, petroleiros, metalúrgicos, trabalhadores dos Correios e eletricitários seguiram em caminhada até a praça Sete. Por volta das 11horas, se juntaram mais uma vez  aos servidores públicos e professores da rede pública e marcharam em passeata até a Assembleia Legislativa (ALMG).



Durante todos os atos, os(as) trabalhadores(as) protestaram contra a reforma da previdência, o corte dos direitos trabalhistas e o desmonte dos serviços públicos. 

Uma audiência pública na ALMG sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/16 encerrou o dia de paralisações. A chamada PEC do desmonte foi duramente criticada durante a audiência. A PEC 241/16 faz parte do pacote golpista que tramita no Congresso e pretende congelar os gastos públicos nos próximos 20 anos.    

    








                                                                               Foto: ALMG


Nenhum comentário:

Postar um comentário