26 de set de 2016

Privatização da Petrobras: Nova Transportadora Sudeste (NTS) é vendida à empresa canadense


A Petrobras anunciou, por meio de nota, nesta sexta-feira (23), a venda de 90% da unidade de gasodutos Nova Transportadora Sudeste (NTS) da estatal. A liquidação dessa unidade custou aproximadamente 5,2 bilhões de dólares. A Petrobras é hoje presidida por Pedro Parente, indicado pelo presidente sem voto Michel Temer e ex-ministro de Fernando Henrique Cardoso, o mesmo que tempos atrás iniciou uma cruzada para privatizar a estatal.
Com a negociação, a Brookfield vai deter uma participação de controladora no consórcio, que também inclui os fundos CIC Capital Corp, da China, e GIC Private, de Cingapura, que são clientes da Brookfield Asset Management, e o fundo de pensões de British Columbia, no Canadá.
A estatal brasileira, como dona de apenas 10% da NTS, pedr seus direitos de governança e seguirá a cartilha da estrageira que agora é dona da unidade e poderá fazer o que quiser com os recursos energéticos retirados do Brasil.
CTB em defesa da Petrobras
Ao criticar o desmonte da Petrobras com a entrega, sem cerimônia, de nossas riquezas,  o secretário de Relações Internacionais, Divanilton Pereira, que é da base do  Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Destilação e Refinação de Petróleo do Estado do Rio Grande do Norte (SINDIPETRO-RN), explicou que esse negócio de vender ativos para pagar dívida, além do seu mérito entreguista, é circunstancialmente inoportuna em função da enorme oferta no mercado mundial, desvalorizando assim, todos os ativos".
Segundo o dirigente, "a estatal, que está sendo apequenada pela gestão que tomou de assalto o governo brasileiro, possui lastro o suficientes para alongar suas dívidas - prova disso foi  a exitosas e rápida captação internacional realizada há pouco tempo - e com isso , buscar parcerias estratégicas que preservem os interesses nacionais. Só um Governo antipatriótico e golpista como este, patrocina tamanha façanha, aliás, inédita no mundo".
Portal CTB - Joanne Mota, com informações da Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário