22 de jan de 2010

CTB Minas vai integrar Comitê de Solidariedade ao Haiti

Redação: Verônica Pimenta
Jornalista/CTB Minas


A CTB Minas vai entrar formalmente na campanha de solidariedade ao Haiti. Na próxima quinta-feira (28/01), acontece uma reunião para ampliação de um Comitê, já lançado pelo Sinpro Minas (Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais). http://www.sinprominas.org.br/conteudos/detalhes.aspx?IdCanal=123&IdMateria=1374


Gilson Reis. Foto: Marcelo Metzker/ALMG 15/05/09
A reunião de ampliação do Comitê de Solidariedade ao Haiti vai acontecer às 16h, no Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Minas (Av. Álvares Cabral, nº 400, Centro de Belo Horizonte).

O Haiti foi o primeiro país de maioria negra  independente na América. Vítima histórica do imperialismo, foi ocupado em 1492 pela Espanha. Parte da ilha foi cedida à França em 1697, e se tornou grande produtora de cana de açúcar.

A elite local tomou o poder por um pequeno período pós-independência, em 1804. Retomado pela Espanha em 1814, o Haiti foi novamente invadido no século XX, desta vez pelos Estados Unidos, no ano de 1915.

Após 19 anos de ocupação dos Eua, o Haiti foi submetido a duas ditaduras, lideradas por François “Papa Doc” Duvalier e seu filho, Jean-Claude Duvalier, conhecido também como “Baby Doc”.

“Neste momento, devemos discutir a posição dos países imperialistas”, afirmou Gilson Reis. “Não podemos permitir que os Estados Unidos se aproveitem da situação para ocupar o Haiti como vêm fazendo”, completou.

No dia 29/01, a CTB Minas Gerais também participa do Ato Público de Solidariedade ao Povo do Haiti. O evento começa às 10h, no Cerp, Centro de Referência do Professor (Rua Tupinambás nº 179, 14º andar, Centro de Belo Horizonte).


CTB participa de campanha solidária em todo o País
                                                                                               
                                                                                                Wagner Gomes. Foto: Arquivo CTB Minas 08/08/0
Além da ajuda humanitária, a articulação do movimento sindical e das forças progressistas ocorre no sentido de afirmar a solidariedade ao povo do Haiti na luta pela sua soberania.

O Haiti é o País mais pobre do ocidente, e a situação ficou ainda mais evidente após os terremotos que atingiram o País nos dias 12 e 20/01. “Cabe a todos os povos ajudar a reconstruir o país”, destacou Gilson Reis.      
                                               
                                                                                        
A participação da Campanha Solidária ao Haiti é também uma orientação da diretoria nacional da CTB às suas seções estaduais e sindicatos filiados.  Essa decisão mostra que a Central está imbuída “de solidariedade internacional - marca do sindicalismo classista”, como afirmou Wagner Gomes, presidente nacional da CTB.

A CTB e as demais centrais sindicais (CUT, FS, NCST, CGTB e UGT) informaram, no dia 15/01, que vão enviar R$ 200 mil às vítimas no terremoto, por meio da Cruz Vermelha.












Nenhum comentário:

Postar um comentário