19 de fev de 2010

Vigilantes prometem reforçar luta contra sindicato patronal

Os vigilantes de Minas Gerais prometem intensificar a mobilização em defesa de lutas históricas como o adicional por "risco de vida", o plano de saúde para todos os trabalhadores afastados, além da gratuidade do plano de saúde aos seus familiares. Em duas assembléias, realizadas nesta quinta-feira (18/02), os trabalhadores e trabalhadoras discutiram a situação da categoria, e a necessidade de mais mobilização e compromisso de todos.

As negociações da campanha salarial de 2010 já estão na  9ª rodada. A próxima reunião com o sindicato patronal está marcada para o dia 1º de março, na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) em Belo Horizonte. A mobilização mais intensa visa forçar o sindicato a patronal a ceder em alguns pontos da pauta, como a cesta básica de R$75 e o reajuste no ticket refeição.

São destaques da pauta de reivindicações: reajuste Salarial, com piso de R$ 1.062; produtividade de 5% sobre os salários já corrigidos após a cláusula de “reajuste salarial”; 30 vales-refeição mensais com valor individual de R$ 12; plano de Saúde e odontológico familiar e sem qualquer ônus para o trabalhador.

A assembléia, na sede do Sindicato dos Vigilantes, em Belo Horizonte, foi bastante participativa. Os trabalhadores se mostraram arredios à proposta patronal de adiar a extensão do ticket-refeição a todos os trabalhadores e trabalhadoras. Os proprietários de empresas de segurança privada também resistem em garantir o plano de saúde aos funcionários afastados.

José Carlos de Souza, vice-presidente do Sindicato dos Vigilantes de Minas Gerais, destacou que "é hora de os vigilantes se manterem firmes e fortes na luta, mostrar sua coragem e todo o potencial da categoria". Ele orientou à categoria ocupar as ruas, mostrando que os vigilantes mantém reivindicações justas.

Gelson Alves, diretor da CTB Minas e do Sindicato dos Metalúrgicos de Betim, Igarapé e Bicas, representou a central sindical. Ele levou a solidariedade dos demais trabalhadores, e afirmou que a CTB está ajudando a articular a ajuda de outros sindicatos para ampliar politicamente a luta.

O diretor da CTB achou que a participação dos vigilantes mostrou a capacidade de crescimento político nas negociações.  "Vocês são as primeiras vítimas quando há incidentes no ambiente de trabalho", afirmou referindo-se ao alto risco a que os vigilantes estão sujeitos.

O presidente do sindicato, Romualdo Ribeiro, coordenou a assembléia. Alguns presentes questionaram a possibilidade do sindicato partir para dissídio coletivo. Romualdo esclareceu que, após a Emenda  Constitucional nº 45, aprovada pelo Congresso Nacional em 2004, houve prejuízos para os trabalhadores nas mediações judiciais. Isso porque, com a Emenda 45, absurdamente passou a ser exigido o "comum acordo" entre trabalhadores e patrões para o início do dissídio.

5 comentários:

  1. parabéns a vcs dos sindicatos pois hoje em dia a mesma função de vigilantes e agentes penitenciarios são os mesmos e eles ganham dobrados do que os vigilantes, pois os patrões deveriam olhar melhor por nos pois seus patrimonios são guardados com muito esforço e quando chega a essa epoca eles dão as costas para nos

    ResponderExcluir
  2. e muto injusto enquando nos traballamos pra defeder os patrimonios dos patroes,quando chega na hora de ollar por nos nos da as costas.o sindicato vem atuando de forma hostil,parabens aos sindicato pela nossa luta,hoje estamos com o salario tao defazado tendo percas mostruosas com um ganho que chega so a um salario minimo.lembrando que agentes penitenciarios ganham salario de 1500,00 acima dos vigilantes que tem que ter cursos registrados pela pf .

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. ademilson

    estou me sentindo desvalorizado na minha funçao de vigilante pois sinto que cada vez mais a corja dos sindicatos entregam as negociaçoes de bandeija para os patroes e quando nao chegam a este acordo a justiça como sempre descide pelo lado de quem tem mais dinheiro e assim vai enquanto esta categoria nao resolver parar fazer greve ,emfim ter um pouco mais de uniao continuaremos com este salario que nao da mais pra dizer que È salario.

    ResponderExcluir
  5. ademilson em partes vc. tem toda raçao,mais o sindicato tanto de uberaba mg ; belo horizontes mg . e uberlandia e outras cidades estao com nos vigilantes nessa luta em uberaba mg estamos em greve e uberlandia e belo horizonte tambem, SO QUE TEM UNS TRANQUEIRAS DE BH. QUE ESTAO A VIR PARA O INTERIOR PARA TAMPAR BURRACO. NOS LOCAIS DE GREVE. E OLHA QUE ESTAMOS A BRIGAR PELO SALARIOS DOS MESMOS. ISSO QUE E SER ANALFABETO DE CARTEIRA. abraço companheiro.

    ResponderExcluir