16 de mar de 2011

Professores da rede privada de BH aprovam indicativo de greve

Fonte: Sinpro Minas

Em assembleia lotada, nesta quarta-feira (16/3), os professores da rede privada de ensino voltaram a recusar a contraproposta patronal (Sinep/MG) e reafirmaram que o momento é de ampliar as conquistas e de valorizar a categoria.

Nova paralisação nos três turnos foi marcada para 22 de março (terça-feira), quando a categoria faz assembleia, com indicativo de greve, às 9h, na Associação Médica de Minas Gerais (Avenida João Pinheiro, 161 – Centro - BH). A decisão é válida para Belo Horizonte e região.


Os docentes reivindicam 12% de reajuste salarial, equiparação dos pisos da educação infantil, regulamentação da educação a distância, mudança da data-base para 1o de abril, eleição de delegados sindicais a cada 50 trabalhadores na instituição de ensino, seguro de vida e criação de comissão, no interior das escolas, para tratar de assuntos relacionados à violência no ambiente escolar e à saúde da categoria.

A contraproposta patronal, recusada por unanimidade, prevê renovar a atual Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) e conceder apenas um reajuste pelo INPC (6,53%) para quem ganha acima do piso, e de 7,5% para os que o recebem.

“Não vamos abrir mão de avanços neste ano. Essa foi a principal mensagem de hoje”, afirmou Gilson Reis, presidente do Sinpro Minas, após a assembleia, que contou com a participação de centenas de professores e voltou a mostrar a força e a mobilização da categoria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário