5 de mar de 2012

Entidades fazem encenação na Praça 7 sobre as reivindicações e direitos da mulher


A Câmara Municipal de Belo Horizonte realizou, na tarde do dia 1º de março, uma reunião ordinária itinerante na Praça 7 de Setembro, no Centro da cidade. Na ocasião, as dez vereadoras da Capital apresentaram diversos projetos de lei para garantir à população belorizontina acesso à saúde, educação e transporte públicos de qualidade, ao trabalho, esporte e lazer.
As vereadoras também apresentaram proposições para acabar de uma vez por todas com a violência contra a mulher e para que todas sejam respeitadas e tenham os mesmos direitos que os homens. Ao final da reunião, todos os projetos foram aprovados por unanimidade pelo Legislativo e pelo público presente na praça.
Foi com esse teatro que a CTB Minas, por meio da sua Secretaria da Mulher Trabalhadora; a União Brasileira de Mulheres (UBM), o Movimento Popular da Mulher (MPM) e a Federação dos Trabalhadores Rurais de Minas Gerais (Fetaemg) deram início ao Mês da Mulher em Belo Horizonte.
A encenação, feita por dirigentes e militantes das entidades, chamou a atenção dos populares pela forma lúdica e criativa de informar e conscientizar a população sobre as necessidades e problemas enfrentados pelas mulheres.
“Achei legal esse teatro. Fiquei sabendo que ainda falta muita coisa para as mulheres”, disse o aposentado Juvenal dos Dias, 72 anos. Já a dona de casa Perpétua Soares, 36 anos, pensou que a Câmara realmente tinha dez vereadoras. “Só descobri que era um teatro no final. Precisamos eleger mais mulheres para nos representar”, falou. Atualmente, Câmara de BH possui cinco vereadoras.
Reivindicações
Durante o ato público, as entidades participantes distribuíram uma “Carta aos governantes”, na qual reivindicam uma série de medidas dos governos, como a correta aplicação da Lei Maria da Penha; implantação de uma política de geração e apoio às pessoas que buscam emprego; políticas de apoio à mulher, como a extensão das Unidades Municipais de Educação Infantil (UMEIs) a todas as crianças de zero a 6 anos; e a formação dos jovens com currículo voltado para as questões sociais.
O documento também pede aos governantes a ampliação do atendimento às adolescentes, idosas e grávidas na rede municipal de Saúde; promoção do acesso à medicina alternativa pela população, especialmente a menos favorecida; agilidade no diagnóstico do câncer e ao respectivo tratamento; e a criação da Semana da Mulher na rede municipal de Ensino, abordando a participação da mulher na construção da história do País.
As reivindicações serão entregues aos vereadores na Câmara Municipal. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário