5 de mar de 2015

Primeiro dia de debates do Festival da juventude apresenta como desafio o acesso às políticas públicas





Com um plenário lotado, teve início nesta terça-feira (03), em Sarzedo-MG, o Festival Estadual da Juventude Rural. O evento, promovido pela Fetaemg, tem a participação de aproximadamente 500 jovens rurais de todas as regiões do Estado para debaterem sobre políticas públicas, sucessão rural e acesso à terra, por exemplo. Um dos desafios, segundo a coordenadora Estadual da Comissão de Jovens Trabalhadores Rurais/Fetaemg, Marilene Faustino, é formular estratégias para que a juventude tenha qualidade de vida no meio rural, com acesso irrestrito às políticas públicas e que seja reconhecida e valorizada, não apenas pelas atividades produtivas que desenvolve, mas enquanto sujeito que tem um papel fundamental no desenvolvimento do meio rural. 

Em seu discurso de boas vindas, a coordenadora foi enfática ao afirmar que os governos precisam criar mecanismos para que o meio rural seja atrativo para o jovem. “Precisamos oferecer ao jovem a opção de ficar ou não no meio rural.” Segundo a coordenadora, em muitas situações os jovens não permanecem no campo por falta de oportunidades que lhe garantam qualificação profissional, emprego e renda.

O presidente da Fetaemg, Vilson Luiz da Silva, destacou a necessidade de garantir o acesso dos jovens às políticas públicas que hoje existem, o que segundo o dirigente, é uma forma de manter a juventude no meio rural. Vilson afirmou ainda que é importante que os jovens entendam que precisam estar mais próximos do Movimento Sindical e aderir à luta dos trabalhadores e trabalhadoras rurais, pois a juventude é peça fundamental para garantir o sucesso nas conquistas. “Os jovens têm um papel fundamental no Movimento Sindical, por isso temos um grande desafio de chamar esses jovens para dentro dos Sindicatos para fortalecer a nossa luta.”

A secretária Nacional da Juventude Trabalhadora Rural da Contag, Mazé Morais, lançou o desafio da sucessão rural, destacando as conquistas do MSTTR, como o Pronaf Jovem, mas ressaltou que “não adianta ter as políticas públicas se elas não chegam aos jovens. É preciso discutir também a reforma agrária, a redução das desigualdades sociais e a democratização dos meios de comunicação.”
Também representando a Contag, o secretário de Política Agrária, Zenildo Pereira Xavier chamou a atenção para questões como reforma agrária, acesso às políticas públicas e participação da juventude nas lutas do MSTTR.


Representando o Governo Estadual, Nilmário Miranda/secretário de Direitos Humanos, ressaltou a contribuição da Fetaemg na construção dos “direitos” das famílias rurais e disse que a juventude será bastante ouvida nesse Governo.

A secretária-geral adjunta da Central dos Trabalhadores Rurais (CTB), Kátia Gaivoto reafirmou o protagonismo da Fetaemg na condução das lutas das famílias rurais e de organização de jovens e mulheres. “Na CTB é a Fetaemg que pauta o debate sobre jovens e mulheres.” Gaivoto chamou a atenção para a necessidade dos jovens se mobilizarem, especialmente nesse momento em que estão sendo tirados direitos trabalhistas por meio das Medidas Provisórias 664 e 665. 

Após a abertura oficial do Festival os jovens debateram sobre o tema “Campo, sujeito e identidade, juventude rural em Minas Gerais e no Brasil, Previdência Social e Gestão Sindical.” A mesa de debates teve a coordenação do presidente Vilson Luiz da Silva, da diretora de Políticas Sociais Maria Alves, da coordenadora da Comissão Estadual de Jovens da Fetaemg, Marilene Faustino e do responsável pelo Centro de Estudo Sindical da CTB, Renato Bastos. Um dos focos dos debates foi para a formação política do sujeito, com a proposta de inserir a juventude rural nesse processo.
No primeiro dia de atividades, houve também o lançamento da Marcha das Margaridas sob a temática “A Juventude também Marcha.”

As atividades são retomadas nesta quarta-feira (4), com oficinas temáticas sobre educação do campo; cooperativismo; terra, água, agroecologia; reforma agrária e sucessão rural; saúde, música, cultura e comunicação. 

Durante o festival acontecem também atividades culturais e competições entre os jovens em modalidades esportivas, como futebol, natação, peteca, sinuca, dentre outras. 

O Festival da Juventude Rural termina na quinta-feira (05) com elaboração de uma carta para ser entregue ao Governo Estadual chamando a atenção para necessidade de construir uma plataforma de debate sobre políticas públicas para juventude rural. “Pretendemos também construir dinâmicas de participação ativa da juventude dentro do MSTTR, tomando como base os Sindicatos de Trabalhadores Rurais”, explica a coordenadora da Comissão Estadual de Jovens, Marilene Faustino. 
O evento tem também a finalidade de preparar os jovens para o Festival Nacional da Juventude Rural, 27 a 30 de abril, em Brasília, com a expectativa de receber cinco mil jovens do Brasil e de países da América Latina. 



Fonte: Fataemg

Nenhum comentário:

Postar um comentário